terça-feira, 16 de maio de 2017

11 de Agosto de 2017

Formatura da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Ulbra

Queridos afilhados,

Nossa vida é uma sucessão de rituais de passagem. Nascemos, crescemos, amamos e desamamos, fazemos escolhas, amadurecemos. São os grandes momentos que a vida nos oferece para estarmos diante dos nossos desafios – aqueles que estão reservados para nós e, principalmente, aqueles que assumimos por vontade própria – e, por consequência disso, estarmos diante do nosso poder de entender, enfrentar, revolver e superar definitivamente cada um destes desafios. Desviar destes desafios significa, na maior parte das vezes, perder estas oportunidades de crescimento e amadurecimento, e querer trilhar somente o caminho das coisas fáceis e das verdades absolutas é visitar o terreno dos fracos, dos derrotados, daqueles que vieram à vida sem a força da alma, sem uma missão a cumprir e sem o desejo das grandes conquistas.

Mas, às vezes, não basta apenas se deixar levar pela vaidade e pelo embalo irresponsável do cumprimento burocrático destas tarefas e decisões. Aceitar um desafio – e, por consequência, fazer por merecer as emoções destes rituais de passagem - não é somente executar as tarefas, é preciso fazê-las com dedicação, com entusiasmo, fazê-las com amor no coração, pois sabemos bem que poucas são as coisas, nesta vida, que executamos bem sem a doce e necessária presença do amor.



Não são poucas as vezes em que, diante das dificuldades aparentemente insolúveis, nos debruçamos sobre as nossas angústias e nos perguntamos se estamos no rumo certo. Dúvidas, incertezas, alguns medos, muitas fragilidades e aquele sentimento desconfortável de querer saber o que teríamos encontrado se tivéssemos escolhido um outro caminho.

São as páginas que diariamente viramos. Nossa vida é um grande livro de páginas brancas que temos que preenchê-lo. E é nesta hora que temos que mostrar toda a nossa fibra, mostrar ao que viemos e do que somos capazes, assumir de fato e definitivamente a nossa maior missão que é construir, com ética e paz de espírito, sem a revolta dos oceanos, sem naufrágios e sem destruição, a vida e o futuro que queremos ter. Nesta hora, meus queridos, é importante a certeza de que não estamos sós. Às vezes é preciso parar, respirar fundo, refletir sobre os erros, assumir algumas perdas, reorganizar os momentos difíceis, realimentar a cabeça com pensamentos leves e doces, para, então, poder vibrar, com energia infinita, diante das nossas grandes vitórias.

Estou muito feliz pelo privilégio de ter sido escolhido paraninfo. Esta homenagem está entre as mais altas distinções acadêmicas que um professor pode receber dos seus alunos como forma de reconhecimento pelo seu trabalho. Sinto muito orgulho pela oportunidade de retornar para esta escola e ter o privilégio de acompanhar vocês nesta trajetória final que caracteriza a passagem da vida escolar para a vida profissional. Hoje no coquetel fiquei olhando para cada um de vocês e pensando: existem um tijolinho meu nesta maravilhosa construção.

Muito obrigado!!

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Croquis Urbanos 8

Não percam! Oitavo encontro do grupo Croquis Urbanos. Estão todos convidados: desenhistas iniciantes, amadores, estudantes e profissionais. Nosso próximo encontro será no dia 29 de abril (sábado), das 10:30h às 13h, na Casa de Cultura Mário Quintana. Levem seus materiais de desenho, convidem seus amigos e vamos aprender uns com os outros!



Croquis Urbanos 8

Data: 29 de Abril de 2017 (sábado)
Horário: das 10:30h às 13h
Local: Casa de Cultura Mário Quintana – Rua dos Andradas, 736 - Centro Histórico - Porto Alegre / RS.

Não percam!!

quarta-feira, 5 de abril de 2017

CROQUIS 1 - Feevale

Simpósio Nacional do Desenho Criativo no Ensino de Projeto

Apresentação
O evento CROQUIS 1 - Simpósio Nacional do Desenho Criativo no Ensino de Projeto pretende reunir alunos, professores, profissionais e pesquisadores para pensar sobre a ferramenta humana básica para elaboração de ideias e projetos em arquitetura e design, o desenho elaborativo e seus meios gráficos, os esboços e croquis com ênfase no desenvolvimento à mão livre, em relação ao ensino, pesquisa, práticas e inovações.

Público-alvo
Estudantes, professores, profissionais e pesquisadores acadêmicos das áreas: arquitetura e urbanismo, design, design de interiores, design gráfico, artes visuais e jogos digitais.

Identificação
- Dias: 11 e 12 de abril de 2017.
- Horário: Terça-feira e quarta-feira, das 18h30min às 22h30min.
- Carga horária: 9 horas.
- Local: Câmpus II* O local será informado via e-mail antes do início da atividade.
- Certificação: Certificado online, que será enviado por email para quem obtiver a frequência mínima de 75%.
- Inscrição: Até dois dias antes do início da atividade, ou de acordo com a disponibilidade de vagas.



Ministrantes

Luis Cláudio Mubarac
Nascido em Rio Claro, SP, em 1959, Claudio Mubarac reside desde 1978 em São Paulo, onde se graduou em Artes Plásticas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP, em 1982. Nos anos de 1994 e 1995, foi professor conferencista de gravura e desenho da instituição, onde defendeu seu doutorado em 1998. Entre 1984 e 2003, lecionou gravura na Fundação Armando Álvares Penteado -FAAP- e foi orientador do Ateliê de Gravura Museu Lasar Segall, cuja coordenação assumiu a partir de 1989. Desde 2004, é professor de desenho e gravura da ECA/USP, com dedicação exclusiva, na graduação e no Programa de pós-graduação em Artes Visuais, tendo obtido a livre-docência em 2010. Como artista, tem trabalhos em acervos de vários museus, como por exemplo, na Pinacoteca do Estado de São Paulo, no MAM/SP, MAM/Rio, MAC/USP, Museu Nacional de Belas Artes, Museu de Arte Brasileira, Museu de Gravura de Curitiba, Centro Cultural São Paulo, Instituto Cultural Itaú, Gabinete de Estampas da Biblioteca Nacional da França, Biblioteca de Alexandria, tendo realizado mais de cento e cinquenta exposições desde 1980, individuais e coletivas, dentro e fora do Brasil. Recebeu várias bolsas de estudo em sua carreira, com destaque para as residências na Cité Internacional des Arts, França; no Tamarind Institute, Estados Unidos; London Print Workshop, na Inglaterra e Civitella Ranieri Center, Itália. Desde 2005 tem feito curadorias para diversas instituições no Brasil, dentre as quais se destacam “O desenho estampado: a obra gráfica de Evandro Carlos Jardim”(2005), que recebeu o Prêmio Bravo de melhor exposição do ano, “Valongo: xilogravuras de Fabrício Lopez” (2009), “Quatro Ensaios Gráficos” (2012/2013) e Imagem(gráfica) 2014/2015, em parceria com Carlos Martins, todas para a Pinacoteca do Estado de São Paulo; “Das dez mil faces: a gravura de Madalena Hashimoto” (2008), para o Instituto Moreira Salles; “Gilvan Samico: primeiras estórias”, Centro Universitário Maria Antônia (USP), com Priscila Sacchettin, e “Goeldi/Jardim: a gravura e o compasso”, a ser inaugurada em março de 2015, para o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo.

Ligia Medeiros
Possui graduação em Desenho Industrial pela ESDI/UERJ, mestrado em Art and Design Education pela University of London e doutorado em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ. Desenvolve pesquisa sobre aspectos cognitivos do processo projetual a partir de uma taxonomia de registros gráficos. O tópico se desdobra em pesquisas acadêmicas a partir da observação da prática de projeto de produto e conexões com estudos sobre metodologias projetuais. O estudo tem implicações para a pedagogia do projeto e para a produção de conhecimento sobre o processo criativo apoiado na graficacia.

Alexandre Rosa Bento
Arquiteto e Urbanista graduado em arquitetura e urbanismo na Ritter dos Reis em 2000; especialista em patrimônio cultural em centros urbanos (FAU-UFRGS) em 2006; mestre em Planejamento Urbano e Regional pela UFRGS em 2008. Sócio do Escritório de Arquitetura Bento Arquitetos até novembro de 2015 e Proprietário do Superstudiob desde agosto de 2008. Professor de Arquitetura na Universidade Feevale. Possui projetos arquitetônicos e de interiores nas áreas residenciais, comerciais.

Daniel Pitta Fischmann
Natural de Porto Alegre, RS. Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela UFRGS, Mestre em Arquitetura PROPAR/UFRGS, atualmente doutorando PROPAR/UFRGS na área de Teoria, História e Crítica da Arquitetura. Exerce atividade docente desde 1998, atuando nas áreas de projeto arquitetônico, desenho e computação gráfica. Atualmente é professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e do Centro Universitário IPA Metodista. Atuou como Coordenador-adjunto e de Extensão no Centro Universitário Ritter dos Reis. Exerce atividade profissional em escritório próprio, com obras e projetos em diversas escalas.

Igor Escalante Casenote
Doutorando em Design (UFRGS). Graduação em Design Visual com Ênfase em Marketing (ESPM). Mestrado em Design Estratégico (UNISINOS). Coordenador do curso de Design e do Centro de Design da Universidade Feevale; leciona disciplinas na área de desenvolvimento e gestão de projetos. Experiência nas áreas de Comunicação Visual, Desenho Industrial e Processos Gerenciais. Foi elaborador de itens do INEP para o ENADE na área de Design em 2012 e diretor de assuntos acadêmicos (ApDesign) em 2015.

José Arthur Fell
Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela ULBRA-Canoas (1989) e mestrado em Arquitetura pela UFRGS (2002). Atualmente: professor adjunto na Universidade Feevale, nos cursos: Arquitetura e Urbanismo; Design de Interiores. Experiência em: desenho, pintura e design gráfico e de mobiliário; arquitetura, design, projeto e construção; estudos em ética profissional, desenho perspéctico, psicologia ambiental, arquitetura interior e exterior, elaboração criativa para o projeto.

Marcelo Ricardo Zeni
Formado em Artes visuais pela Universidade Feevale (1990), especialização em Design gráfico, arte na comunicação pela Unisinos (2005) atualmente exerce a docência nos cursos de Moda e Design da Universidade Feevale nas disciplinas de computação gráfica, materiais e processos gráficos e metodologia visual. Atuou como designer gráfico em estúdios de comunicação (1987-2003).

Paulo Ricardo Bregatto
Arquiteto e urbanista (Ulbra, 1988), especialista em planejamento urbano e habitacional (Ulbra, 1989), mestre em arquitetura (Propar / UFRGS, 1996), professor nas faculdades de arquitetura e urbanismo da PucRS (1999, atual) e Ulbra (1989, atual), membro do grupo Croquis Urbanos de Porto Alegre, membro do conselho superior do Iab-RS, desenvolve prática privada no escritório BREGATTO arquitetos Ltda.

Realização
- Coordenação: José Arthur Fell
- Promoção: Universidade Feevale – Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas - Cursos de Arquitetura e Urbanismo e Design de Interiores
- Organização: Núcleo de Qualificação e Desenvolvimento - Diretoria de Assuntos Comunitários e Culturais

sexta-feira, 10 de março de 2017

Formatura - FauUlbra

Meus queridos colegas,

Escrevo para vocês, mais uma vez, para expressar a minha felicidade por ver a alegria de cada um de vocês na solenidade da formatura. Somente vocês são capazes, na intimidade dos seus corações, de dimensionar o significado desta conquista e desta vitória. Pessoas diferentes, caminhos diferentes, uma mesma conquista, tantos significados... Curtam com alegria este momento. A alegria é o estado de saúde que devemos sempre buscar, mais que a própria felicidade, pois a alegria não é um estado de espírito como se supõe ser a felicidade, mas sim uma sensação. Alegria, coisa tão incerta como o vento que sopra lá fora, que tem dias que vem, dias que não vem, que às vezes é tão forte que vira tufão, outras parece apenas brisa suave, que pode vir do sul ou do norte, do leste ou do oeste, mas que vem, queiramos ou não, na hora ou do jeito que bem entender...

Mais uma vez muito obrigado por esta bela e inesquecível homenagem! Que esta saudade, que a partir de agora começa a povoar os nossos corações, lhes tragam sempre a doce lembrança dos momentos felizes em que estivemos juntos.

Muito sucesso nesta próxima jornada!
Saibam que podem sempre contar comigo!
Muito obrigado!!

Discurso do Paraninfo
Auditório Master - Prédio 14
Ulbra - Canoas /RS

Componentes da mesa já citados.
Familiares e amigos aqui presentes nesta noite de muitas alegrias e festas.
Meus queridos colegas arquitetos e urbanistas:

Recebi com muita emoção o convite para ser o paraninfo desta turma de formandos. Esta homenagem que vocês me prestam, como forma de reconhecimento pelo meu trabalho, está entre as maiores distinções acadêmicas que um professor pode receber dos seus alunos. Não é pouco o privilégio de ser trazido por vocês para fazer uso desta tribuna com a nobre missão de conduzi-los da vida acadêmica para a vida profissional.

Neste momento especial, experimento uma dupla alegria.

Primeiro, pela oportunidade que tive de estar com vocês, ao longo do último semestre da faculdade, onde juntos discutimos e formulamos, a partir dos seus diversos projetos, os rumos da nossa profissão e do ensino de arquitetura. Conviver com vocês e com seus sonhos fortaleceu cada vez mais a minha convicção de que é, de fato, possível transformar a sociedade, tão desgastada nos seus valores éticos e morais, a partir das ações responsáveis de cada um. Nosso alegre e respeitoso convívio nos uniu ao redor de um objetivo comum: olhar o mundo que nos cerca pela lente da nossa profissão e da visão autoral e inovadora de cada projeto, propondo e pensando em como as cidades poderiam ser melhores a partir da viabilização dos seus projetos de diplomação.

E, em segundo lugar, pelo fato desta turma marcar o meu retorno para esta prestigiosa escola, pioneira em nosso Estado, onde tive o privilégio de permanecer por 28 anos. 6 como aluno e 22 como professor. Uma longa, profícua e prazerosa jornada de muito estudo e muito trabalho, tendo sempre aquela alegria renovadora por estar participando da definição dos rumos da nossa profissão e, principalmente, da consolidação da formação dos nossos alunos.

O convite veio em boa hora! Num momento de muitas reflexões profissionais e fortalecimento de convicções sobre os necessários avanços na formatação do ensino superior, mais identificado com as demandas reais do ofício, e sobre as características e qualidades que o jovem arquiteto do século XXI deve possuir.

Nossa estimada Fau tem feito esforços imensuráveis para se manter fiel às suas origens e à frente da crise generalizada que o ensino universitário enfrenta em nosso país, permitindo a cada um de vocês a certeza e a segurança de que possuem uma formação diferenciada, sólida e de qualidade e, portanto, devem seguir em frente de cabeça erguida assumindo com zelo ético e rigor técnico os desafios profissionais que irão surgir no fazer diário do nosso ofício.

Lembro-me da nossa primeira aula do semestre e dos olhares assustados de vocês diante dos desafios propostos e das demandas anunciadas naquele instante. Naquele momento tudo parecia tão distante e inatingível.

Mas o semestre passou. Trabalhamos bastante, convergimos e divergimos nos calorosos debates nos painéis, vislumbramos cidades, edifícios, espaços e construções melhores pela ótica dos seus projetos defendidos na banca final com vigor, talento, convicção e competência. Fizemos arquitetura e urbanismo, de fato, nestes importantes debates, comprovando o quanto estão preparados para enfrentar o mercado de trabalho.

Nossas cidades dependem do nosso valoroso ofício. Ainda vemos as cidades crescendo desordenadamente sem o adequado e criterioso planejamento e com novas edificações e espaços públicos e privados desprovidos de qualidade. Muita construção e pouca arquitetura e urbanismo. Debatemos muito este tema no semestre passado e temos que continuar a debatê-lo.

Fazer arquitetura e urbanismo é, acima de tudo, construir e reconstruir a paisagem das nossas cidades em maior ou em menor escala. Sempre que projetamos e construímos um novo edifício, estamos, com isto, alterando a paisagem a nossa volta, na maior parte das vezes, por um tempo que supera a nossa própria existência. Neste sentido, saibam que os melhores resultados são aqueles que abrem mão da monumentalidade individual em nome da beleza silenciosa e coletiva, são aqueles que agregam qualidade de vida aos usuários, são aqueles que reconhecem o valor da harmonia entre as partes e o todo, que primam pela construção da vitalidade de uma rua e de uma cidade melhor para se movimentar e viver com dignidade e segurança.

Colegas, isto não é uma tarefa fácil por tudo o que o nosso ofício significa e representa!

A arquitetura é arte, ciência e ofício. Arte, na medida em que ultrapassa seu papel de abrigo, quando supera a esfera prática e começa a dizer algo sobre os aspectos culturais de uma civilização. É ciência, na medida em que se vincula aos processos e métodos científicos de proposição e análise do comportamento humano e das suas necessidades mais elementares, da produção eficiente e sustentável no canteiro de obras, do controle do consumo energético, dos novos materiais e técnicas construtivas de baixo impacto ambiental. E é ofício, principalmente, pois a partir das nossas ações concretas diárias, transformamos o mundo que nos cerca e vivemos dignamente com o fruto do nosso trabalho inovador e empreendedor.

Ao longo deste semestre, o debate coletivo, atento e respeitoso, sempre foi a nossa principal qualidade, assim como nosso espírito solidário de grupo. Vivemos em um planeta digital, conectados em rede, mas nunca nos comunicamos tão pouco e nunca estivemos tão sós e isolados. Portanto, sempre que possível, evitem o isolamento, pois ele nos leva sempre às ações individuais, enquanto que a arquitetura, por mais que exija alguns momentos de isolamento inventivo, é a ciência do coletivo. De todos, para todos!

Nunca percam de vista esta qualidade. Sermos bons profissionais é nossa obrigação, assim como sermos boas pessoas e bons colegas. Sejam solidários, uns com os outros. Somos o que sabemos, acreditamos, pensamos e propagamos, mas seremos sempre lembrados pelo que fazemos. Levem com vocês a certeza do respeito e admiração que tenho por cada um e saibam que podem continuar contando comigo sempre!

Dito isto meus queridos, resta-me apenas chamá-los para a vida profissional. Sejam sempre bons colegas, sejam bons projetistas, sejam bons construtores, sejam, de fato, arquitetos e urbanistas, pois afinal de contas, projetamos e construímos porque acreditamos no futuro e não há nada que demonstre maior compromisso com o futuro do que o potencial proativo e transformador da nossa profissão.

De coração, muito obrigado por esta homenagem!
Para mim, foi um privilégio e uma honra imensurável caminhar com vocês até aqui!

Paulo Ricardo Bregatto
10/03/2017

sábado, 4 de março de 2017

Croquis Urbanos 7

Primeiro do ano! Não percam! Já estamos indo para o sétimo encontro do grupo Croquis Urbanos. Coisa boa!! Estão todos convidados: desenhistas iniciantes, amadores, estudantes e profissionais. Nosso próximo encontro será no dia 18 de março (sábado), das 10:30h às 13h, no Instituto Ling. Levem seus materiais de desenho, convidem seus amigos e vamos aprender uns com os outros!



Croquis Urbanos 7
Data: 18 de Março de 2017 (sábado)
Horário: das 10:30h às 13h
Local: Instituto Ling – Rua João Caetano, 440 – Bairro Três Figueiras.

Não percam!!